Pin TPO Circuito da Janela do Céu: tudo o que você precisa saber para conhecer!

29 janeiro, 2019
Autor: Redação

É muito provável que você já tenha ouvido falar sobra a Janela do Céu, e até já tenha tido vontade de planejar uma visita. Caso a resposta seja sim, você está no lugar certo, pois aqui contaremos tudo sobre o lugar e dicas para planejar essa viagem. Portanto se a resposta for negativa, e você nunca tenha ouvido falar sobre esse lugar, você também está no lugar certo, pois temos certeza que se encantará por tanta beleza natural, que mais uma vez o nosso país pode nos proporcionar.

Quer saber tudo sobre uma das vistas mais lindas e fotografáveis do Brasil?! Então fique aqui e acompanhe tudo.

A Janela do Céu, faz jus ao seu nome, e compreende em uma cachoeira em meio à natureza, com árvores ao redor que fazem da paisagem de montanhas, uma verdadeira moldura natural, parecendo perfeitamente com uma vista de uma janela.

O local está localizado no Parque Estadual de Ibitipoca, na cidade de Conceição do Ibitipoca, em Minas Gerais. Em uma altura de quase 1.800 metros, bem em cima de uma cachoeira de 20 metros, com águas douradas e cristalinas, o lugar parece com uma pintura. Porém, como nem tudo são flores, para chegar o caminho não é tão simples assim. São 16 km de trilha (ida e volta), feita em um tempo de 6 à 8 horas, com algumas paradas. Mas calma, não precisa desanimar, o trekking é considerado de leve a moderado, e o seu caminho ainda oferece diversas atrações naturais surpreendentes.

Então vamos saber como explorar?

Parque Estadual do Ibitipoca

Como falamos, a Janela do Céu está localizada dentro do Parque Estadual do Ibitipoca, que está em uma área de 1.488 hectares, localizado na Zona da Mata, em um região da Serra da Mantiqueira, e é dividido entre a cidade de Lima Duarte e Santa Rita do Ibitipoca. Formando uma área de proteção ambiental, o parque oferece 48 cachoeiras, 74 grutas de quartzito (um mineral muito raro), paredões rochosos e penhascos.

Vale lembrar, que ao contrário de muitos parques, as únicas atividades que são permitidas a praticar são o nado nas cachoeiras e lagos, o campismo e o trekking. Esportes radicais são expressamente proibidos dentro do Parque Estadual de Ibitipoca.

  • O parque abre todos os dias, menos nas segundas-feiras (exceto quando a segunda-feira coincidir com feriado ou recesso);
  • A entrada no parque limita-se em 600 visitantes por dia, portanto chegue cedo;
  • O valor do ingresso para entrar no parque nos dias úteis, é de R$ 20,00 por pessoa, já nos feriados é cobrado o valor de R$ 25,00 por pessoa;
  • Há estacionamento no local, porém também é limitado, com apenas 50 vagas e cobrado um valor de R$ 20,00 para moto, R$ 25,00 carro de até 7 pessoas e R$ 65,00 para veículos que comportam mais de 7 pessoas;
  • Para pernoitar no camping, é cobrado um valor de R$ 60,00 por pessoa;
  • Não é permitida a entrada de animais de estimação.

Para ter acesso a informações completas do local, entre no site do Parque Estadual de Ibitipoca.

Começando o circuito:

Trilha da subida:

São dois caminhos diferentes para fazer a trilha, porém colocaremos por aqui a opção que os guias do parque recomendam para começar, já que no fim você acabará conhecendo as duas, pois elas se encontram na Janela do Céu, formando um circuito (começa por uma e finaliza por outra). Além disso, vale ressaltar que as trilhas são bem sinalizadas, com placas indicando os caminhos e distâncias, portanto não tem como se perder.

Nesse caminho, a subida começa depois de alguns metros da entrada do parque, tendo aproximadamente 1,6 km de morro íngreme, até a primeira parada, depois disso, a trilha toda alterna entre subidas e descidas.

1ª parada – Pico do Cruzeiro: Uma cruz, no topo de um pico, que oferece uma vista maravilhosa para o “mar de montanhas”.

2ª parada – Gruta da Cruz: São dois salões bem grandes, um com uma abertura no topo entrando luz solar, e o outro mais estreito, sendo acessado apenas por uma escada que está no local, que também serve como uma passagem para atravessar a gruta e seguir a trilha.

3ª parada – Pico da Lombada: Com 1.784 metros de altitude, esse é o ponto mais alto de toda a Serra de Ibitipoca, que oferece uma paisagem panorâmica de toda a beleza dessa região.

4ª parada – Gruta dos Três Arcos: Para chegar nesse ponto você precisa descer 1,4 km até a gruta, que é uma das mais bonitas do parque. Ela foi batizada com esse nome, devido as suas 3 entradas que formam grandes arcos.

5ª parada – Gruta dos Fugitivos: Ao contrário da Gruta dos Três Arcos, que pode ser visitada sem lanterna devido a boa entrada de luz solar, essa é uma gruta bem escura, e é recomendada ser atravessada apenas com lanterna. A Gruta dos Fugitivos recebeu esse nome, pois já encontraram resquícios de um quilombo de escravos em seu interior.

6ª parada – Gruta dos Moreiras: Bem próxima a 5ª parada, essa gruta também necessita de uma lanterna para acessá-la, e como essa é última parada antes da Janela do Céu, recomendamos fazer uma pausa para um descanso, por aqui.

7ª parada – Janela do Céu: Finalmente chegamos na parada principal, e para chegar até lá, é preciso caminhar aproximadamente 2 km (com bastante descidas), a partir da Gruta dos Moreiras. Chegando no mirante, há uma escada logo depois, que é preciso descer para chegar na janela. O acesso não é difícil, e chegando lá, a água é bem gelada, rasa e dourada. A vista é linda, porém como o local é concorrido, é muito provável que tenha bastante gente para tirar foto na janela. Lembrando também que o parque fecha às 18h, portanto fique de olho no relógio, pois a volta ainda demora mais ou menos umas 3 horas de caminhada.

8ª parada – A Cachoeirinha: Depois da Janela do Céu, ainda há mais uma parada especial para tomar um banho na cachoeira com uma grande queda d’água, que conta com uma piscina natural maior e uma pequena praia para relaxar e descansar.

Trilha da volta:

Saindo da Cachoeirinha, é preciso subir um paredão de 150 metros, e seguir caminhada até a Gruta do Monjolinho. Depois desses percursos, que são com muitas pedras no caminho, chegamos na Prainha, o local bem próximo do final do circuito, que daí em diante é só seguir em direção à saída do parque.

Outras atrações no Parque Estadual de Ibitipoca:

  • Mirante do Poente;
  • Gruta dos Coelhos;
  • Gruta do Gnomo;
  • Lago das Miragens;
  • Ponte de Pedra;
  • Piscinão;
  • Cachoeira dos Macacos;
  • Prainha II;
  • Tibum;
  • Lago dos Espelhos;
  • Pico do Pião;
  • Gruta dos Viajantes;
  • Gruta do Pião;
  • Cachoeira das Fadas;
  • Gruta das Bromélias;
  • Lagoa Seca.

O que levar:

  • Pelo menos 1,5L de água por pessoa;
  • Snacks;
  • Lanterna;
  • Roupas leves;
  • Tênis próprio parar trekking;
  • Protetor solar;
  • Chapéu/boné;
  • Máquina fotográfica;
  • Casaco corta-vento se você for no inverno.

Quando ir a Ibitipoca?

Mesmo o verão sendo a época mais quente na cidade, e perfeito para aproveitar as cachoeiras, o clima dessa região é tropical de altitude, ou seja, com verão muito chuvoso, o que pode atrapalhar nas trilhas e vistas das montanhas. Portanto a melhor época para ir a Ibitipoca é entre abril e setembro, que mesmo tendo uma média de temperatura entre 15°C e 17°C, são os meses mais secos do ano.

#DicaTPO: Se você escolher fazer esse passeio durante o inverno, é preciso se preparar, pois os termômetros chegam até 5°C, portando não deixe de colocar na mala roupas térmicas e casaco corta-vento.

Onde ficar em Ibitipoca:

Além da opção do camping, dentro do Parque Estadual, separamos algumas sugestões de hotéis para se hospedar na cidade:

Estamos encantadas pelo lugar! E se você, já esteve por lá? Compartilhe com a gente suas dicas.

Até a próxima…

Tags: , , ,
Newsletter Inscreva-se na newsletter e receba gratuitamente todas as novidades do blog!

• Faça um comentário deste assunto •

Posts Relacionados