Tudo o que você precisa saber para conhecer a Pedra da Macela!

20 julho, 2018
Autor: Redação

Aos amantes da natureza e aventureiros de plantão, aqui vai mais um lugar inesquecível para vocês explorarem, a Pedra da Macela! Local incrível e que nos proporciona uma vista única, esse é mais um destino para você colocar na sua listinha de próximas experiências.

Por aqui, demos todas as dicas indispensáveis para você planejar uma aventura inesquecível. Veja só!

Localizada na cidade de Cunha, que fica no estado de São Paulo, com divisa em Paraty no Rio de Janeiro, a Pedra da Macela é uma montanha que pertence à Serra do Mar, e possui 1.840 metros de altitude, ganhando o título de o pico mais alto da região, onde podemos desfrutar de uma vista 360º do norte de Ubatuba, da baía de Paraty e um pedaço da baía da Ilha Grande em Angra dos Reis.

Protegida pelo Parque Estadual da Serra do Mar e pelo Parque Nacional da Serra da Bocaina, além da vista deslumbrante do cume, a região ainda oferece diversas quedas d’água, rios e importantes trilhas em volta pela Mata Atlântica.

Como subir até a Pedra da Macela?

A trilha para subir até o cume é razoavelmente fácil, isso porque são apenas 2,5km de asfalto. A dificuldade desse caminho é a subida íngreme, com raras sombras, por isso recomendamos começa-la bem cedo ou no fim da tarde, para o sol forte não prejudicar o passeio.

O acesso mais recomendado é a partir da Rodovia SP – 171, Cunha – Paraty, e a partir do km 65, andar mais 4 km de estrada de terra, até chegar na porteira de Furnas, o lugar limite para ir de carro. Então, há um estacionamento para você deixá-lo enquanto percorre a trilha obrigatoriamente a pé. Ao chegar, basta apreciar a linda e merecida paisagem.

É importante lembrar que no cume não há nenhum tipo de infraestrutura, como banheiros, lixeiras ou lugares para descanso, e mesmo assim muita gente opta por passar a noite acampando por conta própria por lá, para admirar as estrelas e o nascer do sol, algo completamente deslumbrante. Um aspecto positivo, é que a pedra fica próxima à várias antenas de transmissão, portanto, sinal de celular está garantido. E pelo mesmo motivo, é expressamente proibido fazer fogueiras no local, mesmo o frio chegando abaixo de zero durante o inverno.

Uma outra opção para os menos aventureiros, que fazem questão de ver o nascer do sol da Pedra da Macela, é se hospedar em um camping estruturado, localizado quase no meio do caminho ao cume. Por lá sim há chuveiro quente, uma cozinha simples e um lugar próprio para montar a barraca. Uma dica boa para quem não se sente confortável ou seguro de fazer essa trilha por conta própria, é contratar os serviços da Ecovaletur, que disponibiliza todo esse trajeto na companhia de um guia e com direito ao camping.

Outras atividades da região:

  • Além do trekking, no período de maio a agosto, o cume é uma boa época para os praticantes de vôos de parapente e asa delta. Um pouco abaixo da pedra, há uma rampa natural para os saltos;
  • Curtir as cachoeiras da Pimenta e do Desterro, ambas com mais de uma queda d’água;
  • Conhecer as plantações de lavanda – Tanto o Lavandário quanto o Contemplário são visitas imperdíveis. A visitação dos campos perfumados e floridos, é gratuita. Uma dica é ir perto do pôr do sol, pois a vista fica ainda mais incrível!
  • Visitar os ateliês de cerâmicas, que são muito conhecidos em Cunha;
  • Ir até até a Fazenda Aracatu, e se deliciar com o empório que vende cafés, doces, verduras orgânicas, queijos e sorvetes artesanais. Além de possuir um antiquário superinteressante.

Como chegar em Cunha:

Você terá que pegar a Rodovia Presidente Dutra (BR-116), vindo tanto pelo lado de São Paulo quanto do Rio de Janeiro, até a cidade de Guaratinguetá. E a partir de então, pegue a Rodovia Paulo Virgínio (SP-171) até Cunha.

Hospedagens em Cunha:

Se não quiser acampar, você pode se hospedar em alguma dessas pousadas incríveis, que ficam em Cunha e nas suas proximidades:

Qual é a melhor época para ir?

Mesmo sendo uma época muito fria, a melhor época para subir até a Pedra da Macela é no outono e no inverno, ou seja, entre os meses de abril a agosto. Isso porque nesses meses o tempo é mais seco, do que na primavera e verão, que as chances de chuvas e nuvens em excesso são maiores, o que dificulta a subida e impede a observação da vista.

O que levar?

  • Barraca;
  • Sacos de dormir;
  • Roupas térmicas;
  • Cobertor;
  • Lanterna;
  • Acessórios para camping;
  • Boné;
  • Óculos escuros;
  • Roupas leves para o dia;
  • Tênis ou bota própria para trekking;
  • Água e snacks necessários. (Lembrando, tudo o que levar até lá traga de volta, nada de poluir o ambiente, ok?!)

E ai, está preparado para mais uma aventura?

Tags: , , , , ,
Newsletter Inscreva-se na newsletter e receba gratuitamente todas as novidades do blog!

• Comentário no Blog deste assunto é aqui •

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

• Faça um Comentário no Facebook deste assunto •

Posts Relacionados